(A) Ética, de Espinosa

Ao contrário do que pode sugerir o título, a obra consiste numa meditação sobre Deus, concebida em termos puramente racionais, apresentada seguindo o modelo das obras matemáticas e geométricas que faziam aparição, dando início à Época Moderna. Escrito provavelmente na década de sessenta do século XVII, editou-se, juntamente com os textos que havia publicado em vida, postumamente, em 1677.

Sendo profundamente religioso, Espinosa entende que para alcançar serena e terna bem-aventuranças, o homem precisa dispor de um conhecimento correto de Deus. Para indicar o caminho a ser percorrido na conquista de tal objetivo, vale-se das indicações de Descartes quanto ao método, a fim de eliminar as representações confusas e chegar a idéias claras e distintas.

Espinosa afirma que dispomos destes tipos de representações: as que provém da simples transmissão verbal; as que nascem por experiência vaga; as originadas pela relação de um efeito com sua causa; e as que proporcionam um conhecimento intuitivo e direto do objeto estudado na forma proporcionada pelas verdades matemáticas. Sendo este último o único conhecimento autêntico, cabe-nos investigar as notas constitutivas do objeto de modo análogo a definição das figuras geométricas.

Se estabelecermos deste modo os atributos de Deus, verificaremos que a ordem e contexto das idéias, como elementos simples e irredutíveis, correspondem à ordem e conexão das coisas.

Seguindo a Descartes, Espinosa aceita que só tenhamos acesso à extensão e ao pensamento, mas o corrige ao afirmar que este corresponde à manifestação de uma substância única, Deus. A legalidade natural decorre dessa substância única. Podemos, portanto, ter conhecimento geométrico (vale dizer, intuitivo e certo) de Deus.

No contexto histórico em que viveu e tendo em vista a sua formação religiosa, tais afirmativas correspondem ao corolário da idéia de que a natureza está escrita em linguagem matemática. Essa idéia constitui um dos elementos impulsionadores da ciência moderna, ainda que de origem mística, há de se ter tornado cara a Espinosa na medida em que tem familiaridade com o conhecimento místico dos judeus, a Cabala, que repousa justamente na fixação de relação rigorosamente estabelecida.

A par disto, essa crença na ciência e no poder da matemática era algo de relativamente difundido na Europa do Norte, em especial na Holanda, do mesmo modo que o pensamento de Descartes (1506-1650). Este também se refugiara na Holanda, onde viveria por largo período (de 1628 a 1640). Espinosa conhece com profundidade a sua obra e o seu primeiro livro é um comentário a Renati Descartes Principia philosophiea, que aparecera em 1644. No decênio anterior, a proibição pela Igreja Romana do Diálogo de Galileu (1564-1642) fez surgir um grande movimento em seu apoio nos países protestantes. No caso particular da Holanda, a própria Casa Real prestara-lhe solidariedade. Nesse país era grande o interesse pela matemática e pelos assuntos relacionados à navegação. Ainda não há na Europa o que mais tarde ficou conhecido como comunidade científica. Mas já se pode falar do estabelecimento de uma utopia científica, a propósito do que escreve Ben-David: “Os criadores dessa tendência foram Peter Ramus e Bernard Palissy, seguidos por Francis Bacon. Comenius, Samuel Hartlib e outros. Estavam interessados pela educação universal e por projetos de longo alcance de cooperação científica e tecnológica que, segundo esperavam, levariam à conquista da natureza e ao aparecimento de uma nova civilização. Acreditavam numa redenção do mundo que se tornaria possível através da ciência, da tecnologia e de sua organização e apoio eficientes” (O papel do cientista na sociedade, trad. bras., São Paulo, Pioneira, 1974, p. 103).

De sorte que as idéias de Espinosa circulam nesse clima. Terá sido a sua visão “científica” de Deus que chocara aos rabinos de Amsterdã? Talvez não diretamente, mas o fato visível de que, em relação a Maimônides, inverte nitidamente as posições. Isto é, os dogmas agora precisam passar pelo crivo da razão e não simplesmente usar os argumentos da filosofia para mostrar a superioridade da revelação. No sistema de Espinosa, não tem lugar a criação do mundo nem os milagres.

O sistema de Espinosa compõe-se do Tratado para reforma do entendimento, que é uma espécie de introdução à metodologia; da Ética e do Tratado Político, que deixou incompleto, embora se manifeste sobre temas tradicionalmente considerados nessas disciplinas, isto é, as formas de governo. Estes livros aparecem na edição das Obras Póstumas, que vieram a luz no próprio ano de sua morte, em 1677. Por solicitação do regente holandês Jan de Witt, escreveu o Tratado das Autoridades Teológico-Políticas, que é a defesa da tolerância religiosa, editado em 1670. Em 1672, tem lugar a derrubada de Witt do poder, passando também a Holanda a experimentar um ciclo de intolerância e perseguição religiosa. No tempo que lhe restou de vida, além de completar o sistema, Espinosa prepara uma tradução ao holandês do Pentateuco e uma gramática hebraica, o que é uma indicação expressiva de que não pretendera tocar no núcleo central da herança de seu povo, consistente na simbiose entre religião e moral, mas apenas em difundi-lo na linguagem de seu tempo, a exemplo do que fizeram tantos outros eruditos judeus, em seus respectivos momentos. (Ver também ESPINOSA).
 
Carrinho de Compras



O seu carrinho de compras encontra-se vazio no momento.

Busca de Livros

VIDE Editorial Login





Produto em Destaque
Asterix: O Grande Fosso

Asterix: O Grande Fosso

R$30,00